Nuno é o último de 11 filhos nascido em Portugal. Com nostalgia e amor cobre as palavras que o remetem para a infância, um tempo de vida complicado, onde a família ficou dividida depois de chegar de Angola. Cresceu com 7 irmãs. Roupas, sapatos, perfumes, maquilhagem, posters da Madonna… 

 

Em 2003, com 18 anos, foi embora. Precisava de fugir para se encontrar. Foi para a Suíça. Começou por lavar pratos, aprendeu a cozinhar e a fazer pizzas em restaurantes, aprendeu varias línguas, tirou um curso técnico de controlo de qualidade de medicamentos, acabando por assentar numa empresa fantástica que lhe abriu muitas portas. 

 

Apaixonou-se e viu o coração partido. Começou a pintar como forma de desabafo. “Pintei tanto que lá em casa não havia espaço para mais telas. Foi a minha maneira de chorar, a minha maneira de encarar a dor, olhos nos olhos”.

 

Fez uma primeira exposição de quadros em 2011, em Zurique. “Tinha a galeria cheia de amigos, vizinhos e colegas de trabalho. Vendi tudo”. Foi, na verdade, com este dinheiro que resumiu a vida a duas malas e comprou um bilhete de ida para Nova Iorque. Uma historia que durou quase um ano mas que teve que acabar…

 

Quando voltou a Zurique, fez uma escola de maquilhagem e começou a trabalhar para a MAC Cosmetics como Make Up artist. Foi nas sessões fotográficas que finalmente encontrou o que procurava, a moda. 

 

Mais uma vez já com 28 anos, dívidas e vontade de mandar tudo pelo ar, sabia que era oportunidade de mudar e decidiu voltar a estudar. “Entrar numa escola de moda em Zurique foi uma das melhores escolhas que já fiz. Aprendi muito..." Estudou e fez formação por três anos, o quarto ano ingressou na famosa École de la Chambre Syndicale em Paris, cidade onde viveu e trabalhou 5 anos. Hoje confessa que é neste mundo que se sente feliz. “Nem tudo é bonito nem tudo tem lógica, mas o mais importante e o que me dá conforto é o facto de não haver limites.”

 

A fotografia é outra paixão e muito importante. Foi com o apoio de uma galeria em Zurique que fez varias exposições e conseguiu financiar os estudos. 

 

Em 2020 fez uma pausa e veio para Portugal para descansar uns meses e nisto aparece uma pandemia. Teve tempo para por a vida em perspectiva e decidiu ficar e lançar Nuno Miguel Ramos. 

Nuno is the youngest of 11 children born in Portugal. With nostalgia and love, he covers the words that take him back to childhood, a complicated time, where the family was divided after arriving from Angola. He grew up with 7 sisters and in the middle of clothes, shoes, perfumes, makeup, Madonna posters…

 

In 2003, at the age of 18, he left. He needed to run away in order to find his true self. He moved to Switzerland. He started by washing dishes, learned how to cook and make pizzas in restaurants, learned several languages, took a technical course in medicaments quality control, eventually settling in a fantastic company that opened many doors. 

 

He fell in love and had his heart broken. He started to paint. “I painted so much that there was no room for more canvases at home. It was my way of crying, my way of facing the pain, face to face”.

 

He had his first art exhibition in 2011 in Zurich. “I had the gallery full of friends, neighbours and co-workers. I sold everything”. It was, in fact, with this money that he reduced his life to two suitcases and bought a one-way ticket to New York City. A story that lasted almost a year but had to end…

 

When he returned to Zurich, he went to make-up school and started working for MAC Cosmetics as a Make Up artist. It was in the photo shoots that he finally found what he was looking for, fashion!

 

Once again at 28 years old he decided to go back to school. “Entering a fashion school in Zurich was one of the best choices I have ever made. I learned a so much..." He studied and trained for three years, the fourth year he joined the famous École de la Chambre Syndicale in Paris, the city where he lived and worked for 5 years. He finally found peace. ”Not everything it's beautiful, not everything is logical, but the most important thing and what gives me comfort is the fact that there are no limits as a creator.”

 

Photography is another passion and very important. It was with the support of a gallery in Zurich that he had several exhibitions and was able to finance his studies.

 

In 2020, he took a break and came to Portugal to rest for a few months. He had time to put his life in perspective and decided to stay and launch Nuno Miguel Ramos.